O QUE NUNCA PASSA

Fonte da imagem: http://onortao.com.br/

“O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras jamais passarão.” (Mateus 24.35).

Tudo passa... Tudo muda... As águas, o tempo, as pessoas já não são mais as mesmas... Mas Deus é eterno e permanece para sempre, assim como deve ser a Sua presença em nossa vida. Quando tudo passar, quando tudo acabar e o mundo a nossa volta desabar, Ele permanece ali, ao nosso lado. A Sua presença deve se fazer presente em todo tempo, em todas as circuncisões, em todo momento. Pois Ele, somente Ele, é eterno e nunca passa. Perdemos pessoas que amamos, desafazemos amizades, sofremos, nos alegramos, nos emocionamos, e em todo tempo Deus está ali conosco... Ao nosso lado... Isso não passa... Ele sabe tudo ao sobre nós... A sua presença não deve se acabar de nossa vida... A sua presença deve permanecer, pois dependemos Dele para viver em paz...

CUIDADO COM AS SUAS PALAVRAS

Fonte da imagem: http://www.palestrinos1921.com.br/

“A língua tem grande poder. Com a língua podemos abençoar ou amaldiçoar, encorajar ou deixar abaixo e até salvar ou matar! Por isso é muito importante aprender a controlar a língua. Quem não controla a língua tem muitos problemas. Quem se submete a Deus tem cuidado com o que fala. Falar a Palavra de Deus abençoa e traz sabedoria. Devemos sempre abençoar com nossa língua.”

“Nossas palavras têm muito poder. Por sua palavra, Deus criou tudo que existe e suas palavras sempre se cumprem. A palavra de Deus é viva e cheia de poder. Jesus é a Palavra de Deus. Nossas palavras afetam nossas vidas e têm poder até sobre a vida e a morte! A boca fala do que está dentro do coração. Com nossas palavras podemos nos condenar ou confessar Jesus como nosso salvador. Por isso, precisamos aprender a ter muito cuidado com nossas palavras.”


“Sejam sábios no procedimento para com os de fora; aproveitem ao máximo todas as oportunidades. O seu falar seja sempre agradável e temperado com sal, para que saibam como responder a cada um.”. (Colossenses 4.5-6).

“A resposta calma desvia a fúria, mas a palavra ríspida desperta a ira.” (Provérbios 15.1).

“A boca do justo é fonte de vida, mas a boca dos ímpios abriga a violência.” (Provérbios 10.11).

“Há palavras que ferem como espada, mas a língua dos sábios traz a cura.” (Provérbios 12.18).

O coração ansioso deprime o homem, mas uma palavra bondosa o anima.” (Provérbios 12.25).

Quando são muitas as palavras, o pecado está presente, mas quem controla a língua é sensato.” (Provérbios 10.19).

“A língua tem poder sobre a vida e sobre a morte; os que gostam de usá-la comerão do seu fruto.” (Provérbios 18.21).

“Os lábios que dizem a verdade permanecem para sempre, mas a língua mentirosa dura apenas um instante.” (Provérbios 12.19).

“Raça de víboras, como podem vocês, que são maus, dizer coisas boas? Pois a boca fala do que está cheio o coração.” (Mateus 12.34).

“Quem de vocês quer amar a vida e deseja ver dias felizes? Guarde a sua língua do mal e os seus lábios da falsidade.” (Salmos 34.12-13).

“A boca do justo profere sabedoria, e a sua língua fala conforme a justiça. Ele traz no coração a lei do seu Deus; nunca pisará em falso.” (Salmos 37.30-31).

“Mas as coisas que saem da boca vêm do coração, e são essas que tornam o homem impuro. Pois do coração saem os maus pensamentos, os homicídios, os adultérios, as imoralidades sexuais, os roubos, os falsos testemunhos e as calúnias.” (Mateus 15.18-19).

Devemos estar sempre atentos a nossa fala para com todas as pessoas. A nossa fala deve ser usada com sabedoria e discernimento. Precisamos ser mansos e humildes ao nos comunicar. É imprescindível saber ouvir, saber o que/quando/para quem falar. Podemos ser sinceros, verdadeiros e amorosos sem ser grossos. Além de ser algo essencial em nossa vida social, a nossa fala pode mostrar quem somos e a nossa etiqueta. A nossa fala pode transmitir o que pensamos, o que desejamos e do que nosso coração está cheio. A educação não é algo bonito ou somente formalismo, é algo essencial para a boa convivência em sociedade e em casa. Se tivermos dificuldades de nos comunicar adequadamente precisamos orar e pedir a Deus a sabedoria para falar e saber como falar a cada um de maneira que essa pessoa compreenda aquilo que você deseja transmitir sem se ofender. A sabedoria é essencial em nossa fala. Devemos tomar cuidado com o tipo de conversa que estamos tendo, a quem estamos confiando a nossa fala e pensar sempre na utilidade, na bondade e necessidade que a nossa fala vai proporcionar. Se não conseguimos trazer bençãos e alegrias através da nossa língua, então devemos permanecer calados. Se a nossa língua traz intrigas e contendas, é melhor amarrar a boca. Pois a nossa palavra tem poder e pode fazer uma pessoa reviver ou mata-la. Às vezes, o silêncio é melhor do que a fala. Que tenhamos sabedoria em nossa fala e que cada palavra que sair de nossas bocas venha ser para a honra e glória do Senhor e para a edificação de quem a recebe.

CUIDADO COM O MOMENTO DE RAIVA

Fonte da imagem: http://www.divaapos40.com/

“O tolo dá vazão à sua ira, mas o sábio domina-se.” (Provérbios 29.11).

“A sabedoria do homem lhe dá paciência; sua glória é ignorar as ofensas.” (Provérbios 19.11).

“O homem irritável provoca dissensão, mas quem é paciente acalma a discussão.” (Provérbios 15.18).

“Quando vocês ficarem irados, não pequem". Apaziguem a sua ira antes que o sol se ponha.” (Efésios 4.26).

“Não permita que a ira domine depressa o seu espírito, pois a ira se aloja no íntimo dos tolos.” (Eclesiastes 7.9).

“Livrem-se de toda amargura, indignação e ira, gritaria e calúnia, bem como de toda maldade.” (Efésios 4.31).

“Quero, pois, que os homens orem em todo lugar, levantando mãos santas, sem ira e sem discussões.” (1 Timóteo 2.8).

“Melhor é o homem paciente do que o guerreiro, mais vale controlar o seu espírito do que conquistar uma cidade.” (Provérbios 16.32).

“Mas, agora, abandonem todas estas coisas: ira, indignação, maldade, maledicência e linguagem indecente no falar.” (Colossenses 3.8).

“Evite a ira e rejeite a fúria; não se irrite: isso só leva ao mal. Pois os maus serão eliminados, mas os que esperam no Senhor receberão a terra por herança.” (Salmos 37.8-9).

“Meus amados irmãos, tenham isto em mente: Sejam todos prontos para ouvir, tardios para falar e tardios para irar-se, pois a ira do homem não produz a justiça de Deus.” (Tiago 1.19-20).

Como seres humanos, estamos sujeitos a inúmeros acontecimentos, sejam eles bons ou ruins. Nós temos sentimentos, emoções, momentos de alegria e de tristeza. Sentimos amor e, em alguns momentos sentimos raiva. A Bíblia diz: “ireis, mas não pequeis”. Sim, é verdade que em certos momentos sentiremos raiva de coisas, de pessoas, de nós mesmos. Mas, o que devemos tomar muito cuidado é com a maneira como lhe damos com a raiva. Precisamos vigiar e não se entregar a raiva. Devemos tentar relaxar e, se possível, não dizer nada e não tomar nenhuma atitude, uma vez que estaremos agindo segundo a emoção e não a razão. Precisamos prestar atenção em nossas palavras, comportamentos, pensamentos, desejos e pedidos nesse momento onde estamos vulneráveis, pois, aquilo que desejamos ou falamos pode ser irreversível e trará consequências, sem contar que quando esse momento passar, podemos nos arrepender. Todos nós temos sentimentos, mas a forma como lhe damos com eles é que está a diferença. Precisamos estar sempre em oração e vigilância, buscando os frutos do Espírito Santo e pensando nas coisas que são de cima. Que possamos ter sabedoria para lhe dar com os nossos momentos difíceis.

CONSEQUÊNCIAS

Fonte da imagem: http://diasdetrauma.blogspot.com.br/

“Não se deixem enganar: de Deus não se zomba. Pois o que o homem semear, isso também colherá.” (Gálatas 6.7).

Muitas vezes, diante de algo que muito nos interessa, fazemos/agimos sem pensar nas possíveis consequências que nosso comportamento pode acarretar. Isso vale para tudo em nossa vida. Devemos estar conscientes de que tudo o que plantarmos, colheremos, ou seja, tudo o que fizermos terá consequências. Se fizermos algo bom, as consequências serão boas e se fizermos algo ruim, as consequências serão ruins. 

Em alguns momentos, os nossos desejos, prazeres e emoções nos cegam e nos impulsionam a fazer algo que não deveríamos fazer. Naquele momento, não pensamos no que isso pode causar, não pensamos no amanhã e nas consequências. 

Portanto, quero aqui frisar a importância de refletirmos e tomar atitudes conscientes. Além de sempre praticarmos o  bem (o que é correto), devemos pensar no que uma escolha ou um comportamento nosso pode causar. 

Que o Senhor nos ajude a tomar sempre as escolhas corretas e semear sempre o que é bom.